Projetos

Saiba mais +

Capacitação da defesa civil dos municípios fluminense em parceria com CEMADEN e EsDEC

O Núcleo de Geotecnologias da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Sistema Labgis), a Escola de Defesa Civil do Estado do Rio de Janeiro (EsDEC) e Centro Estadual de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais do Estado do Rio de Janeiro (CEMADEN) oferecem periodicamente o curso de extensão "Georreferenciamento Aplicado a Defesa Civil" (40 horas) na modalidade semipresencial e gratuitamente aos técnicos e gestores dos municípios fluminenses.

O objetivo principal dessa capacitação é atingir os seguintes públicos:

- Profissionais exercendo função de defesa civil;
- Profissionais ocupando cargos em secretarias, diretorias e coordenadorias municipais;
- Profissionais das agências que compõem o GRAC;
- Profissionais das agências parceiras da SEDEC.

O curso tem o objetivo de capacitar os participantes em sistemas de informação geográfica e gestão de riscos em desastres, para subsidiar os planos municipais de redução de riscos, no planejamento, análise de riscos e gestão de desastres; através da elaboração de mapas dos municípios, mostrando a interação das vulnerabilidades e riscos, que potencializam a ocorrência de desastres.

Saiba mais +

Automação de metodologias de processamento de imagens de satélites e informação geográficas para aplicações geoespaciais.

Hoje, diversos problemas da sociedade demandam articulações de recursos e bom planejamento por parte de técnicos e gestores. É necessário munir os tomadores de decisão com informações atuais e de qualidade, além de criar estruturas de monitoramento e acompanhamento de ações estratégicas.

Atualmente com métodos, técnicas e ferramentas como Sistemas de Informações Geográficas, Análise Espacial de Dados Geográficos, Sensoriamento Remoto, Sistemas de Posicionamento Global por Satélite, entre outros, que analisam, geram e difundem informações geográficas, também apresentando caminhos metodológicos por meio das Geotecnologias para agregar valor na geração de conhecimento ao tomador de decisão.

Uma dessas Geotecnologias que se destaca no contexto desse projeto é o Sensoriamento Remoto e Processamento Digital de Imagens, que apesar de serem dois conceitos, estão intimamente ligados.

Esse projeto de extensão apresenta relação com o ensino, uma vez que os tópicos de SIG e SR&PDI são assuntos integrandes de várias ementas de disciplinas dentro das cadeiras dos cursos de graduação e pós-graduação em Geografia, Geologia, Oceanografia, Engenharia, Cartográfica, Biologia, Meio Ambiente, entre outros. No mais, os produtos aqui em questão são insumos para outras disciplinas que tratem o espaço geográfico como a área da Geografia Física (climatologia, geomorfologia etc), Gestão Territorial, Epidemologia, Gestão Urbana, entre outras.

Saiba mais +

Apoio à Infraestrutura de Dados Espaciais no Comitê de Bacia Lagos São João

A questão ambiental vem assumindo nos últimos anos um papel cada vez mais destacado entre as grandes preocupações do mundo contemporâneo. Os desequilíbrios ecológicos, a acelerada intervenção humana na natureza, a expansão populacional e a degradação da qualidade de vida, têm sido temas frequentemente evocados, seja por organismos governamentais, seja pela sociedade civil. Hoje a gestão pública deve observar onde a dinâmica ambiental e social ocorre: sobre o espaço.

O Consórcio Intermunicipal de Lagos São João (CILSJ) enfrenta esse desafio sendo a entidade delegatária do Comitê de Bacia Lagos São João, que abrange 12 municípios do Rio de Janeiro na Região dos Lagos. Esses municípios passam hoje por forte crescimento populacional e econômico movido, principalmente, pela indústria do petróleo e o turismo de veraneio. Nesse contexto, o CILSJ busca a construção de uma Infraestrutura de Dados Espaciais (IDE) para apoiar e integrar com seus representantes as decisões sobre a gestão das bacias hidrográficas. O LABGIS, por sua vez, vem buscando a sinergia de ações com o setor público nas mais diversas áreas oferecendo capacitação por meio de cursos de extensão, projetos extensionistas e eventos como o anual Geotecnologias na Gestão Pública.

O Sistema Labgis está apoiando a criação de uma IDE para o CILSJ fitando os seguintes objetivos: (a) apoiar com palestras e discussões os encontros periódicos dos representantes Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João; (b) difundir o conhecimento sobre Infraestrutura de Dados Geográficos mediante a um conjunto de cursos de extensão universitária oferecidos ao corpo técnico e representantes do comitê; (c) dar assistência na especificação e modelagem do banco de dados geográficos e também do portal de Internet para acesso aos dados geográficos, que contempla inclusive mapas interativos; (d) auxiliar na definição de normas e padrões da IDE, alinhadas sempre com as propostas da Comissão Nacional de Cartografia (CONCAR) e ao projeto da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais (INDE); (e) montar e ofertar gratuitamente o curso online de introdução à IDE proposta. A descrição do conteúdo e proposta do curso se encontram na seção de métodos; (f) dar suporte a divulgação e continuidade da IDE, uma vez que a demanda do comitê naturalmente se alterará ao longo do tempo; (g) buscar apoio dos grupos de trabalho de implantação e capacitação da INDE, desenvolvendo palestras em conjunto e outras ações coordenadas; e (h) integrar a IDE construída como um nó da INDE, difundindo seus conceitos e objetivos.

Saiba mais +

Modelagem de Suscetibilidade à Inundação e Crescimento Urbano

Neste projeto submetido como parte do estabelecimento do Sistema Labgis como Unidade de Desenvolvimento Tecnológico (UDT) da UERJ, objetiva-se desenvolver discussões, novos produtos e metodologias para responder a questões socioambientais urgentes ao cenário fluminense e nacional, a saber: aprimorar a delimitação de áreas de proteção permanentes (APP) segundo a nova legislação vigente em parceria com o órgão ambiental do Estado do Rio de Janeiro, a saber o Instituto Estadual do Ambiente (INEA).

A discussão desta temática está dividida em três etapas: levantamento e discussão da legislação, discussão dos materiais e metodologias para demarcação dos diferentes tipos de APP; e proposta de novas modelagens computacionais para automatizar ou melhorar a demarcação de APP por meio de GIS.

O objetivo do projeto será perseguido por uma equipe multidisciplinar que aplicará tecnologias e metodologias de vanguarda científica, e assim somando o conhecimento e produção acadêmica a solução de problemas práticos e importantes.

Saiba mais +

Infraestrutura de Dados Espaciais da UERJ

A Rede Sirius, rede de bibliotecas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), ao final do ano de 2011 possuía um acervo de 1918 mapas e 2630 trabalhos de conclusão de curso, de acordo com o DATAUERJ de 2012. Dentro desde acervo encontra se dados espaciais analógicos e digitais, sobre diferentes temas e documentados sobre diversos formatos.

Dados geográficos possuem um peso cada vez maior no atendimento às demandas da gestão do conhecimento. Criar condições para universalizar o acesso a esta base iria aumentar a oferta de dados de qualidade, melhorar a qualidade de serviços, oferecer acesso mais amplo e democrático às informações. Neste contexto, a proposta de uma Infraestrutura de Dados Espaciais (IDE) é, principalmente, que os dados sejam aproveitados pelo maior número possível de usuários (alunos, professores e outros interessados).

As organizações que têm a intenção de compartilhar dados normalmente se deparam com questões significativas quanto a formatos de codificação e armazenamento, parâmetros de qualidade desses dados, limitações de conteúdo, parâmetros de projeção cartográfica e, até mesmo, estruturas de dados. Para adoção de uma IDE, mesmo que a um nível local, múltiplos provedores de informação catalogam seus serviços em um computador servidor público, de acordo com metadados padronizados. Neste cenário uma proposta de IDE aplicada a Rede Sirius de bibliotecas seria uma forma de deter dados de múltiplos fornecedores, no caso os alunos, e os distribuir de forma transparente pela rede.

Este projeto, ainda em desenvolvimento, se discute a importância de uma proposta de arquitetura de uma IDE que normalize e principalmente qualifique o recebimento e a divulgação dos dados geográficos produzidos pelos alunos em seus trabalhos de final de curso, de forma a atender a rede de bibliotecas da UERJ.